Arquivo

Posts Tagged ‘Projetos’

Ribeirão Araquá começa a ser desassoreado

7 de maio de 2011 1 comentário

A empresa Mirante Brasil, responsável pela construção da nova ponte sobre o ribeirão Araquá, no quilômetro 190 da rodovia Geraldo de Barros (SP-304), deu início esta semana aos serviços de desassoreamento do leito do ribeirão, além de colocá-lo em um novo curso.

A principal preocupação é de que o ribeirão seja capaz de abastecer a estância por mais décadas e o assoreamento não prejudique a captação de água. Há mais de 30 anos, o ribeirão Araquá é o principal ponto de captação de água e abastecimento de Águas de São Pedro.

Para fazer o desassoreamento, a empresa utilizou duas máquinas tipo esteira que retiravam a areia do fundo do córrego próximo à ponte.

“Além de construir uma nova ponte que vai sanar os problemas por décadas, também vamos aumentar a capacidade de armazenamento do ribeirão Araquá e consequentemente o seu leito”, afirmou o chefe do Executivo.

A expectativa é também com relação à inauguração da nova ponte, que foi levada com as fortes chuvas do mês de janeiro e está sendo refeita com uma verba de R$ 4,4 milhões em convênio com o governo estadual.

(Fonte: Jornal Folha de São Pedro – Edição de 07/05/2011)

Fique ligado!!!

O que é assoreamento?

Processo de elevação de uma superfície por deposição de sedimentos. O Assoreamento dos cursos fluviais torna-os mais rasos, favorecendo a erosão lateral e seu conseqüente alargamento. Em casos extremos, o assoreamento pode levar à morte o rio.

Quais as principais causas do assoreamento de rios, ribeirões e lagos e nascentes?

As causas do assoreamento são na maioria das vezes naturais, como a movimentação de areia e outros detritos levados pela água da chuva e também pelos ventos, mas seu depósito no fundo das águas de rios, canais e dos lagos é favorecido pela ação do homem que tira a proteção natural dessas fontes de água. Estão relacionadas aos desmatamentos, tanto das matas ciliares quanto das demais coberturas vegetais que, naturalmente, protegem os solos.

O desassoremanto deve vir acompanhado de medidas de controle ambiental, que visem reverter o processo de degradação das margens do Ribeirão Araquá, identificando e recuperando processos erosivos, a principal causa do assoreamento dos rios. Outro ponto importante seria um maior controle sobre as atividades desenvolvidas nas margens, principalmente a extração de areia. Penso que o município deveria atuar em conjunto com o estado (CETESB) na fiscalização e implantação de medidas de controle e recuperação da área degradada em paralelo à extração da areia.

Anúncios

ESTUDO VAI “MAPEAR” A FAUNA EXISTENTE EM ÁGUAS DE SÃO PEDRO

27 de novembro de 2010 3 comentários

Ao todo, serão quatro visitas em diferentes épocas do ano para identificar e documentar as espécies de pássaros que vivem na cidade;

crédito pela Foto: Dario Sanches

“A Secretaria de Meio Ambiente de Águas de São Pedro lançou esta semana um projeto inédito: toda a fauna existente na estância será objeto de estudo na intenção de constatar quantas espécies de pássaros habitam a cidade. O trabalho será coordenado pelo biólogo do Centro Universitário Anhanguera de Leme, José Eduardo Peixoto. Além disso, o município já possui a autorização do IBAMA (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente).

Serão feitas quatro visitas no período de um ano, sendo cada uma em uma estação diferente. A primeira pesquisa a campo aconteceu no último final de semana com a coleta de dados e elaboração de material impresso que identifica e apresenta as espécies encontradas.

Ameaçado de extinção do Brasil, um pássaro denominado de Soldadinho (nome científico Antilophia galeata) também foi encontrado durante a primeira etapa do projeto.

O mapeamento das espécies conta com o apoio da prefeitura de Águas de São Pedro”.

Fonte: Prefeitura de Águas de São Pedro (link)

 

Um Abraço.

Cantidio B. Netto

 

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

4 de junho de 2010 Deixe um comentário

No próximo sábado, dia 05 de junho, é celebrado o “Dia Mundial do Meio Ambiente e da Ecologia”. A data foi estabelecida em 1972 com o objetivo de sensibilizar a opinião pública para a necessidade de proteger e valorizar o meio ambiente, e escolhida pela Assembléia Geral da ONU porque recorda o dia de abertura da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Humano (Estocolmo, 1972), que culminou com a criação do Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente).

O Ônibus Voluntário Ambiental, da Associação Barco Escola da Natureza, do município de Americana, estará em Águas de São Pedro neste sábado para promover a educação e a conscientização ambiental quanto à necessidade de conservação do meio em que vivemos. O Ônibus conta com laboratório, vídeos interativos, palestras, teatros Sócio Ambientais entre outros.

Além das aulas itinerantes com o ônibus, o programa “Voluntário Ambiental”, criado em 2003, tem como objetivo incentivar o consumo responsável dos recursos naturais, conscientizando a comunidade quanto ao uso de equipamentos indevidos para pesca, as consequências do desmatamento, queimadas e incentivar a arborização e o plantio de espécies nativas da mata ciliar.

O programa também informa sobre a problemática do local, promove e estimula a conservação ambiental nas comunidades, por meio de palestras e cursos, além de distribuir mudas de árvores fornecidas pela CPFL, promovendo a educação ambiental.

Ecobus do Programa Voluntário Ambiental na cidade de Sumaré/SP.

PARTICIPE!!!

Data: 05/06/2010

Horário: 10h às 18h

Local: Monumento das Águas (entrada do Parque Dr. Octávio de Moura Andrade)

A Associação Barco Escola da Natureza é uma Organização da Sociedade civil de Interesse Público (Oscip), nasceu, em 2000, de um sonho do então comerciante e ambientalista, João Carlos Pinto, em promover a educação ambiental e colaborar na conservação do meio ambiente, em especial do reservatório de Salto Grande.

Para saber mais sobre a Associação Barco Escola da Natureza e o Programa Voluntário Ambiental visite o site:

www.barcoescola.org.br

Um Abraço!

Cantídio Biscalchim Netto

Coca-cola transforma garrafas plásticas em linha de cadeiras

12 de abril de 2010 8 comentários

A Coca-Cola se juntou à fabricante de móveis Emeco para lançar uma linha de cadeiras produzidas através da reciclagem de garrafas PET. Chamadas de “111 Navy Chair”, cada cadeira é composta por pelo menos 111 garrafas plásticas recicladas. O produto é resultante da mistura de plástico PET (60%) e uma combinação especial de outros materiais, incluindo pigmento para as cores e fibra de vidro para melhorar a resistência do produto final.

Estima-se que cerca de 3 milhões de garrafas plásticas, tipo PET, serão reaproveitadas anualmente para a produção da linha de cadeiras “111 Navy Chair”. As cadeiras estarão disponíveis para a venda a partir de junho de 2010 em seis cores: vermelho coca-cola, neve, pedra, grama, caqui e carvão.

Veja as imagens:

(Para Saber Mais: http://www.emeco.net/location.aspx)

Um Abraço a todos.

Cantídio Biscalchim Netto

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

15 de março de 2010 1 comentário

Fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes terão de investir para colocar no mercado artigos recicláveis e que gerem a menor quantidade possível de resíduos sólidos.

O Plenário aprovou nesta quarta-feira em votação simbólica um ao Projeto de Lei 203/91, do Senado, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e impõe obrigações aos empresários, aos governos e aos cidadãos no gerenciamento dos resíduos. A matéria retornará ao Senado para uma nova votação.

O texto aprovado é de autoria do relator da comissão especial sobre a matéria, deputado Dr. Nechar (PP-SP), que tomou como base a redação preparada por um grupo de trabalho suprapartidário coordenado pelo deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP).

O substitutivo prioriza a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. Os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes terão de investir para colocar no mercado artigos recicláveis e que gerem a menor quantidade possível de resíduos sólidos. O mesmo se aplica às embalagens.

Deverão ser implementadas medidas para receber embalagens e produtos após o uso pelo consumidor de: agrotóxicos, seus resíduos e embalagens; pilhas e baterias; pneus; óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens; lâmpadas fluorescentes; e produtos eletroeletrônicos e seus componentes.

O processo de recolhimento desses materiais, sua desmontagem (se for o caso), reciclagem e destinação ambientalmente correta é conhecido como logística reversa. Para realizar essa logística, os empresários poderão recorrer à compra de produtos ou embalagens usados, atuar em parceria com cooperativas de catadores e criar postos de coleta.

Se a empresa de limpeza urbana, por meio de acordo com algum setor produtivo, realizar essa logística reversa, o Poder Público deverá ser remunerado, segundo acordo entre as partes.

140 propostas

Segundo o relator, apesar do passivo ambiental herdado pelo Brasil por causa da falta de regulamentação, o tempo conspirou a favor da qualidade do texto nesses 19 anos de tramitação. “Depois da apresentação de 140 propostas apensadas o tema havia se transformado em um nó legislativo”, afirmou. Ele ressaltou que foram incorporados conceitos modernos.

Para o presidente Michel Temer, o projeto aprovado “é de grande significação”. Ele disse lamentar que a matéria tenha sido votada “em um momento de pouco entusiasmo, pois merece ampla divulgação na imprensa”.

Coleta seletiva

Outros materiais recicláveis descartados ao final da sua vida útil deverão ser reaproveitados sob a responsabilidade do serviço público de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos.

Para fazer isso, o Poder Público deverá estabelecer a coleta seletiva, implantar sistema de compostagem (transformação de resíduos sólidos orgânicos em adubo) e dar destino final ambientalmente adequado aos resíduos da limpeza urbana (varredura das ruas).

As empresas de limpeza urbana deverão dar prioridade ao trabalho de cooperativas de catadores formadas por pessoas de baixa renda, segundo normas de um regulamento futuro.

Os municípios que implantarem a coleta com a participação de associações e cooperativas de catadores terão prioridade no acesso a recursos da União em linhas de crédito, no âmbito do plano nacional de resíduos.

Proibições

Serão proibidas práticas como o lançamento de resíduos em praias, no mar ou rios e lagos; o lançamento a céu aberto sem tratamento, exceto no caso da mineração; e a queima a céu aberto ou em equipamentos não licenciados.

O texto proíbe também a importação de resíduos perigosos ou que causem danos ao meio ambiente e à saúde pública.

A regra sobre a disposição final adequada dos rejeitos deverá ser implementada em até quatro anos após a publicação da lei, mas os planos estaduais e municipais poderão estipular prazos diferentes, com o objetivo de adequá-los às condições e necessidades locais.

(Fonte: Agencia Câmara – Reportagem – Eduardo Piovesan, Edição – João Pitella Junior)

Um Abraço a todos.

Cantídio Biscalchim Netto

ÁGUA

18 de fevereiro de 2010 2 comentários

Água: Um Bem Precioso

É indiscutível a importância da água para a manutenção da vida em nosso planeta. Trata-se de um recurso que, não só satisfaz as necessidades básicas da população humana e é fundamental para o desenvolvimento, em particular para a criação e manutenção de riqueza através da agricultura, da pesca, da produção de eletricidade e do turismo, como é vital para todos os ecossistemas globais. Todavia, os fatos revelam que enfrentamos uma crise de água a nível global.

Vinte e nove países já têm problemas com a falta d’água e o quadro tende a piorar. Uma projeção feita pelos cientistas indica que no ano de 2025, dois de três habitantes do planeta serão afetados de alguma forma pela escassez – vão passar sede ou estarão sujeitos a doenças como cólera e amebíase, provocadas pela má qualidade da água. É uma crise sem precedentes na história da humanidade. Em escala mundial, nunca houve problema semelhante.

A Água no Brasil

De acordo com a Organização das Nações Unidas, cada pessoa necessita de 3,3 m³/pessoa/mês (cerca de 110 litros de água por dia para atender as necessidades de consumo e higiene). No entanto, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros/dia. Gastar mais de 120 litros de água por dia é jogar dinheiro fora e desperdiçar nossos recursos naturais. Além disso, grande parte dos reservatórios está contaminada, principalmente em regiões mais populosas.

O Brasil é um país privilegiado no que diz respeito à quantidade de água. Tem a maior reserva de água doce da Terra, ou seja 12% do total mundial. Sua distribuição, porém, não é uniforme em todo o território nacional.

O Problema já Começou

Situação crítica é a enfrentada em países como a China e Índia que por serem os países mais populosos do planeta (1,3 bilhões e 1 bilhão de habitantes respectivamente), enfrentam problemas tanto na distribuição como na disponibilidade de água potável à seus habitantes.

Na China, por exemplo, milhões de pessoas têm que andar quilômetros por dia para conseguir água. Na Índia o governo enfrenta o dilema da água constatando o esgotamento hídrico de seu principal curso d’água, o rio Ganges. Nos países do Oriente Médio e do Norte da África a situação é ainda mais crítica.  A humanidade poderá presenciar uma nova modalidade de guerra: a batalha pela água.

Transformar Água Salgada em Água Doce

Navegando pela internet há algumas semanas me deparei com um produto simplesmente genial e muito simples, o WATERCONE.

O Watercone é um dessanilizador de água de baixo custo, movido a energia solar e que pode até gerar água potável. Você simplesmente o coloca sobre a água imprópria para o uso e com exposição ao sol. A água vai evaporar, condensar-se ao tocar a superfície do cone e descer para o reservatório circular. Depois tira-se a tampa no topo do cone e a água pode ser retirada virando o Watercone.

Essa água condensada perdeu seus sais minerais no processo. Para que ela fique própria para o consumo humano é necessário acrescentar um composto de sais mineiras ou 1% ou 1,5% de água do mar. Este artefato é um belo exemplo do design simples em favor da humanidade. Hoje 40% da população mundial não têm acesso a água limpa e potável.

Algumas outras características do produto:

* É feito de plástico não inflamável, não tóxico e 100% reciclável.

* Dura de 3 a 5 anos e depois pode ser usado para apanhar água da chuva, para guardar coisas ou ser reciclado.

* Cada cone consegue gerar até 1 a 1,7 litros de água por dia.

* Já ganhou diversos prêmios.

* O projeto aguarda investidores e companhias para iniciar a produção em massa.

FUNCIONAMENTO DO WATERCONE:

Abaixo seguem dois vídeos que explicam o funcionamento do sistema. Realmente esta é a prova de que idéias simples e baratas podem fazer a diferença no que diz respeito à qualidade socioambiental no planeta.

Sites Consultados:

Watercone – http://www.mage-watermanagement.com/

WebCiencia – http://www.webciencia.com

Portal Terra –  http://360graus.terra.com.br/ecologia/default.asp?did=22695&action=coluna

Bom é isso, espero que tenham gostado desta dica.

Um grande abraço a todos.

Cantidio Biscalchim Netto

Categorias:Água Tags:, ,

Gestão das Áreas Verdes

13 de janeiro de 2010 Deixe um comentário

Paisagismo ao longo da Avenida Carlos Mauro, Águas de São Pedro.

Uma das principais características do Município de Águas de São Pedro é a grande quantidade de áreas verdes existentes. Embora a quantificação dessas áreas seja um instrumento útil para se avaliar a qualidade ambiental de uma cidade, não é suficiente quando não se considera sua distribuição pelos espaços urbanos, o estágio de conservação, o tipo de uso e a sua interação com as áreas de influência (entorno).

Além de quantificá-las, é imprescindível que se realize um trabalho de qualificação, incorporando conceitos socioambientais ao processo para que seja elaborado um plano eficiente de Gerenciamento das Áreas Verdes.

Renovar o paisagismo, eliminar espécies daninhas e realizar a poda correta das plantas, são algumas das ações que devem se tornar permanentes dentro de um Plano de Gerenciamento de Áreas Verdes, para assegurar não só a beleza cênica, mas garantir o conforto ambiental de sua área de influência.

Em Águas de São Pedro um projeto bem legal esta sendo desenvolvido ao longo da Av. Carlos Mauro com a renovação de todo paisagismo, a colocação placas educativas e caixas de areia para que os fumantes que servirão de cinzeiros para o descarte de cigarros de forma educada e segura.

O projeto é uma parceria da Secretaria de Educação e Cultura – Direção, Coordenação, Professores e alunos da EMEF” Maria Luiza Fornasier Franzin”- do 6º ao 9º ano-Secretaria de Obras , Paisagista Maria de L.A.Godoy e Família de Maria J. Saldanha. Parabéns pelo trabalho!

Áreas Verdes ao longo do canal central do Município de Águas de São Pedro.

Manutenção e Renovação do Paisagismo ao longo da Av. Carlos Mauro em Águas de São Pedro.

Cinzeiros disponobilizados em alguns pontos da Av. Carlos Mauro.

Mas a manutenção das áreas verdes não é uma tarefa fácil e barata, demanda mão de obra especializada e insumos para garantir o desenvolvimento saudável e eficiente das plantas.

Mas o que o Governo Municipal pode fazer para assegurar a manutenção constante das áreas verdes e ainda expandir todo este cuidado com o paisagismo da região central para os bairros mais afastados da cidade? Como a gestão ambiental pode contribuir para o processo?

DEIXE APODRECER!

Isso mesmo, literalmente deixe apodrecer!

Águas de São Pedro possui cerca de 145m² de área verde por habitante, para se ter uma idéia, a ONU recomenda que as cidades tenham 16m² de área verde, isso significa que o município oferece quase que 10 vezes mais do que o recomendado. Sem entrar em questões técnicas de como este calculo é feito, o fato é que o Município possui muitas áreas verdes e estas devem ser preservadas, recuperadas, requalificadas ou revitalizadas de acordo com o seu tipo de uso.

Executar a manutenção periódica de todas as áreas verdes é uma atividade muito onerosa, mas imprescindível para garantir a qualidade/conforto ambiental do município e ainda atrair turistas pela sua beleza cênica.

Uma alternativa para diminuir os gastos com insumos (adubo orgânico) e ainda diminuir a quantidade de lixo disposto em aterro sanitário, seria a implantação de uma Mini-Central de Compostagem.

Mas o que é a Compostagem?

Compostagem é um processo biológico de transformação da matéria orgânica, por ação de microrganismos, num composto fertilizante natural, semelhante ao solo. A matéria orgânica são restos de comida e resíduos verdes do jardim, horta ou quintal e podas das árvores. Se realizada de forma correta, a compostagem não produz cheiro e não atrai insetos.

Abaixo um vídeo sobre a utilização da Compostagem na agricultura orgânica:

Programa de Compostagem do Município de Bituruna – PR:

Com essa mini-central de compostagem o município poderia produzir seu próprio composto orgânico. O composto produzido poderia ser utilizado em hortas comunitárias, creches, escolas, nos parques e jardins da cidade e em campanhas de educação ambiental.

E a obtenção da matéria prima (lixo orgânico)?

Um programa de coleta seletiva é fundamental para o sucesso desta proposta, mas é muito difícil hoje, com a estrutura que a Prefeitura dispõe, implantar um programa eficaz de Coleta Seletiva, pois, além de alterar totalmente a maneira de como é feita a coleta de lixo no município, é necessário um programa amplo e eficiente de Educação Ambiental para envolver a comunidade.

Uma alternativa para se ganhar tempo seria a implantação de um Projeto de Coleta Seletiva parcial que abrangeria apenas as cozinhas, refeitórios e colégios públicos. O objetivo é separar o material orgânico (alimentos em geral) do material reciclável (plásticos, latas e papelão), e incorporar folhas e pequenos galhos vindos das podas das árvores e limpeza das praças ao composto orgânico. Mais tarde o projeto se estenderia aos hotéis e restaurantes que descartam uma quantidade enorme de alimento em suas cozinhas.

Com um corpo técnico competente e empenhado esta proposta seria possível em Águas de São Pedro. Além de contribuir para o meio ambiente, o município economizaria com a destinação do lixo em aterro sanitário (que é cobrado por tonelada/dia) e garantiria composto orgânico para a manutenção das praças e áreas verdes.

Abaixo segue o link uma reportagem sobre os melhores programas ambientais premiados pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo em 2009, através do Programa Município Verde Azul. Corumbataí recebeu o Prêmio de Melhor Coleta Seletiva do Estado de São Paulo, um exemplo que Águas de São Pedro poderia seguir. A administração pública poderia enviar técnicos ao município para conhecer melhor o programa.

Veja o vídeo Aqui!!

Viveiro de Mudas

Como um anexo ao projeto de coleta seletiva poderia ser construído um viveiro de mudas com espécies nativas e ornamentais. Seria utilizado o composto orgânico, produzido pela Central de Compostagem, para o desenvolvimento destas mudas que mais tarde seriam utilizadas no paisagismo e na recuperação das áreas verdes.

Água

Atualmente a irrigação das praças e jardins, pelo menos na parte central da cidade, é feita utilizando água da rede pública de abastecimento, ou seja, água tratada pela SABESP que é obrigada a garantir a sua potabilidade. Ambiental e economicamente falando, esta não é uma prática sustentável. Os custos do tratamento da água para abastecimento público é alto e utilizar água potável para manutenção dos parques, praças e jardins não é coerente.

A alternativa para esta questão seria a utilização da água da chuva armazenada em reservatórios. Para termos uma idéia, somente o telhado do prédio, onde se encontra paço municipal, possui uma área de aproximadamente 3.500m².

Para ilustrar o que isso significa em economia de água vamos fazer uma conta simples:

Multiplicaremos a área total do telhado (3.000m²) pela pluviosidade média anual da região de Águas de São Pedro (500mm/ano), o resultado desta equação vai ser a quantidade em Litros de água da chuva armazenada durante o ano (claro que esses valores são teóricos, para o calculo exato seriam necessários estudos específicos).

3.000m² x 500mm/ano = 1.500.000 litros/ano

O município faria a economia de 1,5 milhões litros de água por ano. Esta água além de ser utilizada para manutenção das praças e jardins pode servir para lavagem das viaturas, pátios e galpões públicos.

Abaixo um vídeo demonstrando o funcionamento de um sistema de captação das águas das chuvas:

Bom pessoal, já me estendi muito neste artigo. A gestão ambiental urbana é um assunto muito extenso e com um leque enorme de possibilidades e idéias que podem, além de trazer benefícios ao Meio Ambiente, ajudar a economizar recursos naturais e financeiros. Apresentei a síntese de algumas destas possibilidades que diversos municípios já vêm adotando.

Muito mais do que a forma de se administrar, a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental eficiente exige a mudança de mentalidade dos governantes e de uma equipe de governo competente. É de suma importância a sensibilização e a adesão da população aos programas municipais. Só assim veremos mudanças realmente importantes nos municípios, elas não acontecem da noite para o dia, mas garantem a qualidade e o conforto ambiental para o futuro.

Para saber mais sobre reciclagem de lixo e coleta seletiva? Veja abaixo

Abraço a todos

Cantidio Biscalchim Netto

Mas a manutenção das áreas verdes não é uma tarefa fácil e barata, demanda mão de obra especializada e insumos para garantir o desenvolvimento saudável das plantas.

Mas o que o Governo Municipal pode fazer para assegurar a manutenção constante das áreas verdes e ainda expandir todo este cuidado com o paisagismo da região central para os bairros mais afastados da cidade? Como a gestão ambiental pode contribuir para o processo?